terça-feira, 10 de junho de 2014

Baú dos Desejos - Dinâmica avaliativa, celebrativa e escolhas


“Baú, local de guardar os nossos Tesouros ou coisas que não precisamos mais?” 

Objetivo: Descobrir o verdadeiro valor de um baú em nossas vidas; Valorizar nossos desejos, não como sentimentos que sentimos e não sabemos explicar, mas como vontade de realizar algo de bom que faça a diferença em nossas vidas; valorizar o que realmente é um Tesouro para nós e guardarmos no lugar mais seguro, porem de fácil acesso.
Material: Preparar 3 baús: 1 grande que caiba 2 menores. Os dois menores serão opostos. Um cheio de presentes para todos; Outro cheio de papel em branco. 3 envelopes com as chaves dos baús.
Como preparar: No primeiro baú você colocará mensagens em cartõezinhos com bombons. O conteúdo da mensagem deve ser de otimismo, autoajuda ou até mesmo os seus desejos para a turma. O baú pode ser totalmente revestido com tecido preto dentro, para ficar bem escuro. Uma abertura que caiba apenas uma mão. Se possível, que os bombons sejam variados.  O conteúdo do baú deve ser segredo até que sejam retirados os primeiros.
O segundo baú deve estar repleto de folhas de papel A4 divididas ao meio. Uma unidade para cada participante. Se sobrar não tem importância. Não deve faltar.
O terceiro baú, um grande com os demais dentro. Decore à sua maneira ou de acordo com o tema desenvolvido na reunião. O baú deve permanecer com os demais dentro e fechado até o término da reunião e início da avaliação.  Deixe em local de destaque para provocar curiosidade.
Desenvolvimento: O facilitador pergunta aos participantes para aumentar a curiosidade: Para que serve um baú? O que você guarda no seu baú? Depois de ouvir as respostas abra o primeiro baú. Verá então os outros dois. Explique as definições de baú.
Definição de baú. Caixa retangular, geralmente feita de couro. Os baús são usados com frequência duas utilidades: A primeira seria para guardar nossas joias, tesouros que são usados apenas em momentos especiais. A segunda seria para guardar coisas que muitas vezes pensamos ser inúteis e que só atrapalham. Quando não temos outra coisa para usar, lembramos do velho baú, remexemos seu conteúdo e... Lá está aquilo que mais precisamos.
Quais dos dois baús estarão os tesouros?
Abra então o baú das folhas de papel em branco. Peça para cada pessoa pegar uma folha. Pedir para alguém distribuir para ser mais rápido. Existem também duas definições para estas folhas.

Primeiro: “A vida da gente é uma viagem em que a bagagem que carregamos faz toda diferença.” Veja esta folha em branco. (peça para que as pessoas agitem a folha no ar. Verá que a mesma faz um barulho muito grande.) A maioria das pessoas vai colocando em suas bagagens tantas coisas inúteis que só servem para atrapalhar: (Peça para que os participantes amassem uma vez a folha ao pensar em cada um dos problemas de suas vidas. Um amasso para cada problema.

Ajude-os a se libertarem, seduzindo-os a refletirem em suas dificuldades)  Planos e ideais de terceiros que não são de acordo com os objetivos de suas vidas; aprendizagem e informações que valorizam apenas o TER; o SER mais importante do que os outros, mesmo sabendo que cada um tem seu grau de importância em qualquer circunstâncias da vida; Valorizar apenas o que você faz sem dar importância ao trabalho dos demais; etc. Agora peça para abrirem a folha e agitarem mais uma vez. (observe que já não faz tanto barulho) Pergunte agora o que eles gostariam de se libertar? Ou até mesmo a libertação do grupo, como: falta de união, de ajuda mutua, acolhida, espiritualidade, Deus... (Estenda a reflexão até a folha ficar bem amassada. Peça para abrir a folha novamente e agitá-la mais uma vez. Agora não faz mais barulho.)

Segundo: “Porque, onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração.” Lucas 12: 34. Agora peça para que os participantes escrevam em suas folhas de papel totalmente amassadas, mas vazias de tanto barulho inútil, os desejos que estão guardados em seus corações, e que gostariam de colocar em prática para a melhoria e bem estar do grupo. Lembrando que como é um grupo, deve-se levar em consideração o bem comum. Estes desejos serão colocados de volta no baú e lacrados. Só será aberto na festa de confraternização do grupo, no final do ano, quando saberemos quem alcançou o seu objetivo. Vale ressaltar que cada um deve se esforçar o máximo para realizar o seu desejo. A caridade é fundamental por se tratar de um grupo, então a humildade dever prevalecer. Caridade para sabermos quem e quando alguém está precisando de ajuda. Humildade para pedir. Decidir com o grupo onde que o baú deve ser guardado. A chave do baú será a confiança.
Ao depositar no baú os seus desejos, cada pessoa pode colocar a mão dentro do outro baú e tirar para si um doce desejo.

Modelo dos desejos
Desejo, primeiro, que você ame, e que, amando, também seja amado. E que se não for, seja breve em esquecer e esquecendo não guarde mágoa. Desejo, pois, que não seja assim, mas se for, saiba ser sem desesperar.
Desejo também que você tenha amigos que, mesmo maus e inconsequentes, sejam corajosos e fiéis, e que pelo menos em um deles você possa confiar sem duvidar.
E porque a vida é assim, desejo ainda que você tenha inimigos, nem muitos, nem poucos, mas na medida exata para que, algumas vezes, você se interpele a respeito de suas próprias certezas.
E que, entre eles, haja pelo menos um que seja justo, para que você não se sinta demasiado seguro. Desejo, depois, que você seja útil, mas não insubstituível.
E que nos maus momentos, quando não restar mais nada, essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.
Desejo ainda que você seja tolerante, não com os que erram pouco, porque isso é fácil ,mas com os que erram muito e irremediavelmente, e que fazendo bom uso dessa tolerância, você sirva de exemplo aos outros.
Desejo que você, sendo jovem, não amadureça depressa demais, e que, sendo maduro, não insista em rejuvenescer, e que, sendo velho, não se dedique ao desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e é preciso deixar que eles escorram por entre nós.
Desejo por sinal que você seja triste. não o ano todo, mas apenas um dia.
Mas que nesse dia descubra que o riso diário é bom, o riso habitual é insosso e o riso constante é insano.
Desejo que você descubra, com a máxima urgência, acima e a despeito de tudo, que existem oprimidos, injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta.
Desejo ainda que você afague um gato, alimente um cuco e ouça o joão-de-barro erguer triunfante o seu canto matinal, porque, assim, você se sentirá bem por nada. Desejo também que você plante uma semente, por mais minúscula que seja, e acompanhe o seu crescimento, para que você saiba de quantas muitas vidas é feita uma árvore.
Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro, porque é preciso ser prático. E que pelo menos uma vez por ano coloque um pouco dele na sua frente e diga "isso é meu", só para que fique bem claro quem é o dono de quem. Desejo também que nenhum de seus afetos morra, por ele e por você, mas que se morrer, você possa chorar sem se lamentar, sofrer e sem se culpar.
Desejo por fim que você, sendo um homem, tenha uma boa mulher, e que, sendo uma mulher, tenha um bom homem e que se amem hoje, amanhã e no dia seguinte, e quando estiverem exaustos e sorridentes, ainda haja amor para recomeçar.

“E se tudo isso acontecer, não tenho mais a desejar.”
Victor Hugo

sábado, 3 de maio de 2014

DINÂMICA CELEBRATIVA PARA A PÁSCOA - III Domingo

III Domingo da Páscoa - CONHECER para ter ESPERANÇA e SER ALEGRE
Oração Inicial: Para ser feita em dois coros todos os dias
Lado 1 - Ó Cristo Ressuscitado, da morte vencedor, por tua vida e teu amor, mostraste a nós a face do Senhor. Por tua Páscoa o céu à terra uniste e o encontro com Deus a todos nós permitiste.
Lado 2 - Por ti, Ressuscitado, os filhos da luz nascem para a vida eterna e abrem-se para os que creem as portas do reino dos céus. De ti recebemos a vida que possuis em plenitude pois nossa morte foi redimida pela tua e em tua ressurreição nossa vida ressurge e se ilumina.

sexta-feira, 25 de abril de 2014

DINÂMICA CELEBRATIVA PARA A PÁSCOA - II Domingo

II Domingo da Páscoa - ENTENDER para CRER e SER FIEL


Oração Inicial: Para ser feita em dois coros todos os dias

Lado 1 - Ó Cristo Ressuscitado, da morte vencedor, por tua vida e teu amor, mostraste a nós a face do Senhor.
Por tua Páscoa o céu à terra uniste e o encontro com Deus a todos nós permitiste.

Lado 2 - Por ti, Ressuscitado, os filhos da luz nascem para a vida eterna e abrem-se para os que creem as portas do reino dos céus. De ti recebemos a vida que possuis em plenitude pois nossa morte foi redimida pela tua e em tua ressurreição nossa vida ressurge e se ilumina.

Lado 3 - Volta a nós, ó nossa Páscoa, teu semblante redivivo e permita que, sob teu constante olhar, sejamos renovados por atitudes de ressurreição e alcancemos graça, paz, saúde e felicidade para contigo nos revestir de amor e imortalidade.

Todos - A ti, inefável doçura e nossa eterna vida, o poder e a glória por todos os séculos.


quinta-feira, 24 de abril de 2014

DINÂMICA CELEBRATIVA PARA A PÁSCOA - Como fazer

DINÂMICA PARA OS DOMINGOS DO TEMPO PASCAL


O tempo pascal compreende cinquenta dias (em grego = "pentecostes"), vividos e celebrados como um só dia: "os cinquenta dias entre o domingo da Ressurreição até o domingo de Pentecostes celebramos com alegria e júbilo, como se fosse um só e único dia festivo, como um grande domingo" (Normas Universais do Ano Litúrgico, n 22).
O tempo pascal começa na Vigília Pascal e celebrado durante sete semanas até Pentecostes. É  a Páscoa (passagem) de Cristo, do Senhor, que passou da morte à vida, a sua existência definitiva e gloriosa. É a páscoa também da Igreja, seu Corpo, que é introduzida na Vida Nova de seu Senhor relembrando o dia do primeiro Pentecostes.
Nossa catequese celebrará uma grande páscoa que durará estes 50 dias. A cada semana, por ocasião dos encontros de catequese e nosso encontro com o Senhor na liturgia, além de celebrar a Páscoa, estudaremos os Dons do Espírito Santo, com rigor de detalhes, um por um. Afinal, foi destes dons que nasceu a igreja. Da mesma forma, aprenderemos os frutos e virtudes, enquanto estudamos uma maneira de frutificar em nossas vidas.

sexta-feira, 11 de abril de 2014

DINÂMICA CELEBRATIVA PARA A PÁSCOA - A Cruz

Objetivo - Buscarmos a nossa santificação através de jejuns, orações e a memória da paixão e ressurreição de Nosso Senhor Jesus cristo. É o tempo propício para fazermos penitencia em preparação para a ressurreição, encontramos Jesus, aquele que vive e reina em nossas vidas. É neste tempo que temos a alegria de proclamarmos e anunciarmos que o Senhor está vivo em cada um de nós. De saber que somos livres da lei do pecado e da morte, pois pela lei do Espírito fomos libertos de todo julgo, de do mal, de todo pecado, de toda dor, de toda enfermidade e que em Cristo somos mais que vencedores! Já aprendemos que é através dos ensinamentos dos antigos que fincamos nossas raízes na torrente de água viva. E as principais raízes que nos ajudam na santificação são virtudes comuns como: Obediência, Fé, Confiança, virtudes que geram o amor e nos ajudam a viver nossa Liberdade rumo a Felicidade que não passa, a vida eterna. Estes ensinamentos estão na Palavra de Deus, Fonte inesgotável de vida. Nesta semana santa a nossa catequese será na igreja, participando com da liturgia. Vamos convidar nossos pais e irmãos e juntos participar de toda a paixão de Cristo, para domingo ressuscitar com ELE. A partir da páscoa Jesus vive em mim e eu vivo pro ELE.
Como Fazer: Escolher duas pessoas para levar cada símbolo; No nosso caso será um catequista e um catequisando. Dividir a turma em dois grupos para as orações. Enquanto todos rezam cada oração, o catequista e o catequisando vão devagarzinho, levando o símbolo até o local escolhido. No final da oração coloca-se o símbolo no local indicado.

“Acolhei como Jesus”

domingo, 6 de abril de 2014

DINÂMICA CELEBRATIVA PARA A PÁSCOA

Apresentação da Dinâmica: Vamos fazer na catequese uma grande celebração da Pascoa do Senhor Jesus, em unidade com todos os grupos. A ideia é simbolizarmos a nossa vida com uma ÁRVORE feita em isopor, que será ilustrada de maneira a ficar idêntica a mesma, porem terá também um formato de cruz, para que jamais nos esqueçamos das nossas cruzes. A Árvore para nós terá dois sentidos:

1° sentido - Salmo 1 – (Tempo para meditação) A vida da gente é como uma grande árvore. Germina, nasce, dá flores, frutos... do fruto a semente que irá germinar uma nova árvore. Neste ciclo interminável nossa árvore precisa ser cuidada, regada, adubada para que ao florir e frutificar a esperança se renove.


2° sentido - Evangelho escrito por João 15:1-10. Silêncio para meditação. A vida da gente é como os galhos de uma árvore, só tem sentido real se estiver ligada a Deus, pois ele nos deu seu Espírito para que pudéssemos ter vida NEle. Fora DEle nada tem sentido, a felicidade é passageira, logo murcha e seca. Com Ele a felicidade é eterna e sempre dá muitos frutos.

sábado, 5 de abril de 2014

DINÂMICA CELEBRATIVA PARA A PÀSCOA – A Raiz

Em Cristo encontras a vida, CONFIA

Objetivo: Depois de seguir todos os passos da dinâmica de oração de quaresma e encerrar fazendo o plantio com as sementes escolhidas com muito carinho, hoje iremos iniciar uma dinâmica celebrativa para a páscoa. Esta dinâmica é semanal e precisa ser seguida, passo a passo para ter sentido. No início da dinâmica da quaresma dissemos que a vida da gente é como uma grande árvore. Chegou a hora de cuidarmos desta árvore. Iniciaremos a nossa Árvore pelas Raízes que a sustentam e conduzem alimento e água a todo o seu corpo. São as raízes as responsáveis por uma bela árvore. Vamos prestar bem atenção nos textos bíblicos para entendermos a mensagem. Boa Páscoa para todos.
Material: Uma espécie de Caixa feita em isopor para receber e servir de sustentação para a cruz em forma de árvore. Nesta caixa algumas raízes para a dinâmica conforme a foto. A quantidade de raízes fica a seu critério. As nossas são de acordo com o número de grupos catequéticos em nossa comunidade.


sexta-feira, 28 de março de 2014

Dinâmica de Oração para a quaresma - A Água e o Adubo.

Motivação: Se celebramos tão dignamente os acontecimentos marcantes da vida da gente, imagine os acontecimentos que marcaram a história da salvação da humanidade! Por isso convidamos você para se preparar bem para a Páscoa do Senhor, oportunidade impar para transformarmos nossa vida em dignidade e prosperidade. Assim sendo, é importante preparar o coração para aquilo que se irá viver, vivendo intensamente, e deixar que do coração surjam constantes sentimentos de quem sente alegria de estar unido a Cristo.

domingo, 23 de março de 2014

Dinâmica de Oração para a quaresma


A vida da gente é como uma grande árvore. Germina, nasce, dá flores, frutos... do fruto a semente que irá germinar uma nova árvore. Neste ciclo interminável nossa árvore precisa ser cuidada, regada, adubada para que ao florir e frutificar a esperança se renove. Mas, para que possamos cuidar bem de nossa árvore precisamos seguir as etapas ordenadamente.
Objetivo: Estamos na Quaresma, tempo propício para a oração, meditação e conversão. Precisamos neste tempo sair de nossas vidas habituais para nos retirarmos ao deserto onde faremos um despojamento de nós mesmos, jogando fora tudo aquilo que não nos faz bem. Neste momento ficamos vulneráveis e fracos; Aparece todo tipo de tentação para nos afastar do nosso objetivo; as nossas dúvidas aumentarão, porem precisamos de um propósito, e esta finalidade é um encontro pessoal com Deus. Vamos ser fortes para que o homem velho que existe em nós morra com Jesus e assim ressuscite um homem totalmente novo. Assim será nossa Páscoa. Faça este propósito e nos acompanhe.

sábado, 22 de março de 2014

Dinâmica de oração para a quaresma - A semente

Texto base. Na parábola do semeador Jesus compara o nosso coração com um terreno que pode ser fértil ou não para o plantio. Segundo Jesus cristo (Mt 13,3ss) a semente semeada germina em qualquer tipo de terreno porem, só  cresce a ponto de dar bons frutos se o terreno for bom. Já vimos que para preparar um bom terreno temos que ter uma vida de oração. A intimidade com a oração nos aproxima de Deus e estreita os laços que nos une. Deus nos ama tanto que, ao ouvir uma oração de um coração contrito e sincero, Ele como Pai amoroso se desmancha em amor fraterno e eterno por seus filhos.

Dinâmica - Como mudar o mundo - A corrente do bem

Objetivo: Descobrir que toda ação gera uma reação, assim como todo ato tem uma consequência. Transformar o que é ruim e coisas boas. Saber escolher aquilo que vem de Deus e aplicar na sociedade a partir de você.
Material: Areia prateada, ventilador, 1 folha de papel para cada participante, lápis, borracha, filme: "A corrente do bem".
Como fazer: 1ª Parte - Reúna a turma de catequese e faça um círculo em volta do ventilador da sala. Se a turma for numerosa, convêm que seja dois círculos, um dentro do outro, com as crianças menores na frente. Pegue um pouco de areia prateada e lance no ventilador. Obviamente o ventilador irá espalhar a areia prateada por toda a sala. Até os mais distantes ficarão com algumas marcas de areia. 


sábado, 15 de março de 2014

Dinâmica de oração para a quaresma - A escolha do fruto

Objetivo: Já sabemos que a vida da gente é como uma grande árvore. Germina, nasce, dá flores, frutos... do fruto a semente que irá germinar uma nova árvore. Com a dinâmica passada "A escolha do terreno", preparamos o terreno que iremos plantar a nossa árvore. Agora resta saber que frutos queremos gerar, pois só a partir da escolha do fruto é que podemos selecionar as sementes para plantar nossa árvore.
Para a escolha do nosso fruto vamos fazer esta dinâmica:
O presente.
Como fazer: Prepare duas caixas de presentes. Uma deve ser muito bonita. Embrulhada com papeis muito brilhoso e muito enfeitado. Dentro da caixa colocará doze balas de sabor horrível (Você mesmo pode fazer uns docinhos só a cobertura seja doce e a massa seja com bastante sal, pimenta, ou qualquer outra coisa de péssimo sabor) estas balas serão distribuídas para os que forem escolhidos. A outra deve ser enrolada em jornal. Dentro deve conter balas suficientes para todos os participantes.

sábado, 8 de março de 2014

Dinâmica de Oração para a quaresma - O terreno

Objetivo da Quaresma: Levar-nos ao encontro com Jesus através da oração.
Objetivo da Dinâmica: Preparar nossa vida para ser constante na oração.
Texto base: A vida da gente é comparada a uma árvore. “O justo florescerá como a palmeira; crescerá como o cedro no Líbano.  Os que estão plantados na casa do Senhor florescerão nos átrios do nosso Deus. Na velhice ainda darão frutos; serão viçosos e vigorosos.” Sl 92.12-14
Sendo assim, precisamos em primeiro lugar preparar um bom terreno, arejado, de fácil irrigação para plantarmos a nossa árvore. “Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão”. Sl 1, 3.
O terreno para plantar a nossa árvore é a vida de oração. Todo cristão tem a necessidade absoluta de pedir a Deus a salvação e de como o devemos fazer. Santo Afonso recomendava que todos fizessem pelo menos uma hora de oração diária, além de frequentes e rápidas preces nas diversas oportunidades do dia. A graça de orar é dada normalmente a todos e, mediante a oração, todos podem obter de Deus os outros auxílios necessários para a salvação.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Nada podemos sem Jesus. Dinâmica celebrativa

Existia um homem que acreditava tanto em si que tudo o que fazia na vida prosperava. Ele foi batizado, fez primeira comunhão e até se crismou. Quando estava pronto para testemunhar Jesus Cristo e ser SEU discípulo, o diabo o tentou como fez com o Cristo no deserto. A primeira coisa que cobrou dele foi uma companheira, uma esposa, uma casa, família. Se ele perdesse tempo servindo jesus iria demorar ter estas coisas, pois a felicidade para ele estaria nas festas, realizações que só o mundo social poderia oferecer.



sábado, 25 de janeiro de 2014

O Sabor da Vida - LEITURA ORANTE “Sal da Terra” – Dinâmica do sal

Esta Dinâmica também pode ser substituída por esta: A Luz do Mundo  
Objetivo: Mostrar o valor de cada um diante de Cristo; Qual o nosso propósito neste mundo; qual o nosso verdadeiro valor; o que fazer diante do mundo.
Material: Fazer altar, colocar a Bíblia em destaque, vela, flores, imagens de Jesus, Nossa Senhora e uma vasilha com sal.
Como Fazer: Fazer a leitura orante, meditar buscando valorizar o silêncio, dando alguns tópicos para reflexão como: Qual o valor que damos a nossa vida? Qual a nossa importância diante do mundo? E diante de Deus? O que somos para o mundo? Nossa família? Deus?
Leitura Orante – Oração Inicial
Senhor, me coloco em atitude de escuta e atenção. Preparo-me para ouvir a Tua voz. Creio, meu Deus, que estou diante de Ti. Que me vês e escutas as minhas orações. Tu és tão grande e tão santo: eu te adoro. Tu me deste tudo: eu te agradeço. Foste tão ofendido por mim: eu te peço perdão de todo o coração. Tu és tão misericordioso: te peço todas as graças que sabes serem necessárias para mim. Ó Jesus Mestre, Verdade, Caminho e Vida, tem piedade de nós. Divino Espírito Santo, ilumina a minha vida para que eu saiba valorizá-la. Amém.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Lencinho Branco – Dinâmica de Apresentação Com Leitura Bíblica

Objetivos: Dinâmica para fixação dos nomes e apresentação dos elementos de um grupo num primeiro contato.  
Material: Um lencinho branco e Bíblia.
Desenrolar: Esta é uma dinâmica para conhecer, pela primeira vez, os companheiros de um grupo. A dinâmica é igual a do lencinho branco, porem, além de soltar o lencinho a pessoa deve chamar o nome de alguém para reconhecimento.
Forma-se um círculo com todos os participantes sentados no chão.
Iniciar com o sinal da cruz e a leitura da Bíblia: Isaías 43, 1-7.
Falar um pouco sobre a importância de chamar as pessoas pelo nome.
Fazer as apresentações:
Cada qual dirá seu nome e uma qualidade que comece com a mesma letra do nome. Ex: Roberto risonho, Maria meiga, antonia atrevida. A apresentação começa sempre pelo catequista.
Depois de todos se apresentarem, é escolhido um voluntário (Antonia atrevida) para ser o primeiro a reconhecer a turma. O voluntário (Antonia atrevida) pegará o lencinho branco e ficará do lado de fora do círculo. O catequista chama alguém pelo nome apresentado (Roberto Risonho). O voluntário (Antonia atrevida) irá identificar a pessoa chamada (Roberto Risonho) e irá até onde a pessoa se encontra, chama-la pelo nome e soltar o lencinho branco atrás dela. Se estiver errado, como punição o voluntário (Antonia atrevida) ira para o centro da roda como bobo do meio. Se estiver certo, a pessoa chamada ( Roberto risonho) pegará o lenço e correrá atrás da voluntária ( Antonia Atrevida). Se pegar, a voluntária ira para o meio da roda. Se não pegar, irá jogar o lencinho branco e acertar outro nome. O voluntário (Antonia Atrevida) ao correr irá se sentar no lugar vazio e dizer um outro nome para a pessoa que agora está com o lencinho (Roberto Risonho). A brincadeira continua até que o catequista ache conveniente.

Para ficar mais emocionante quem estiver com o lencinho diz: Samuel, Samuel, o Senhor te chama!
A pessoa que acabou de se sentar dirá: Não é Samuel, é Fulano!
Quem estiver com o lencinho diz: Fulano Deus te conhece pelo nome e te chama!

Todos respondem: Eis-me aqui. 1 Samuel 3:4

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Coroa do Advento - Presépio - Como Fazer

Vamos preparar o nosso local de encontro com Deus? Local de oração deve ser muito bem planejado, feito com carinho e dedicação. Afinal de contas, estamos preparando um lugarzinho para nosso menino Deus! Iremos montar a nossa coroa do advento aos poucos e conto com a participação de todos os nossos amigos. Hoje iremos preparar a nossa "Coroa do Advento". 
Primeiro faça uma armação de ferro contendo local para colocar as velas do Advento, sempre com alturas diferenciadas para que as velas se igualem de acordo com o acender das demais. 

Depois faça um castiçal com espaço para sete velas. Será acesa uma por dia, enquanto rezamos o nosso rosário do advento.  Lembre-se que o número de velas está relacionado com  a Luz de Cristo que aumenta em nossa vida de acordo com a nossa fé. Depois encaixe o Castiçal no centro da coroa do Advento.
Lembre-se de forrar a mesa com papel alumínio para não correr o risco de danificar seu móvel com os pingos de vela. 
A Coroa do Advento deve ser enfeitada de verde, podendo usar folhas artificiais (como no nosso caso: estou usando festão verde simbolizando  folhagens verdes (natureza) e este outro, com um toque dourado simbolizando a realeza, o ouro que devemos presentear o Senhor) ou natural, como por exemplo, renda portuguesa ou outro tipo de samambaia que demora muito tempo para perder a sua cor.

sábado, 23 de novembro de 2013

Dinâmica dos Discípulos de Emaús - Aprendendo com Jesus - Sétimo Passo - A Missão




 Encerrando a dinâmica pedagógica de Jesus, apresentamos a 4ª revelação de Jesus, que podemos também chamar de 4º pilar do cristianismo. Este pilar é a missão. Jesus se revela na Missão. "Digo que Jesus se revela lembrando São Paulo: “e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim”. Gálatas 2:20 A missão do Cristão é a Missão de Jesus. Os Apóstolos contam uns aos outros: «Realmente, o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão» (v.34). Portanto, não se pode ser cristão apenas dentro de casa ou da igreja e nem falar por si mesmo. É necessário sair de si para encontrar-se em Jesus, anunciar, na vida, Aquele que encontramos na Palavra e na Eucaristia.
Hoje, depois destes 6 passos pedagógicos (O encontro, a escuta, a realidade, a catequese, a acolhida, o celebrar e a missão) e as quatros Revelações do Senhor (Vida, Palavra, Eucaristia e Missão), podemos dizer que aprendemos o método de Jesus catequizar. Esta é a dinâmica pastoral da Igreja. A Missão faz parte da essência de toda comunidade Eclesial, do mesmo modo que só podemos dizer que somos cristãos na medida em que formos missionários. É que a nossa vida nos leva a uma busca, um desejo profundo em que só Jesus presente na Eucaristia poderá preencher. A Celebração Eucarística, a Missa, nossa prepara: na celebração penitencial Jesus nos escuta; na Palavra Jesus nos Fala; na Eucaristia Jesus se revela e nos fortalece; na Comunhão Jesus sai de cena para surgir no nosso coração, na nossa presença, no nosso agir... Por Cristo, Com Cristo e em Cristo. Agora revitalizados, somos enviados para a missão. Se não houver Missão, é sinal de que alguma coisa falhou na Eucaristia. Deste modo, a Missão é a conclusão lógica dos números anteriores.


domingo, 10 de novembro de 2013

Dinâmica dos Discípulos de Emaús - Aprendendo com Jesus - Sétimo Passo -

Hoje, queremos refletir no passo mais importante desta pedagogia. É neste passo que encontramos a maior revelação de Jesus: A Eucaristia. Depois de se sentar à mesa, Jesus reproduziu os gestos da Última Ceia, na Quinta-Feira Santa: «Tomou o pão, pronunciou a bênção e, depois de o partir, entregou-lho» (v.30); A recordação da Ceia pascal de Jesus teve efeito positivo: finalmente, «os seus olhos abriram-se e reconheceram-no». Este ver e reconhecer dos discípulos são os resultados do contato com a pessoa de Jesus durante todo o processo pedagógico: “Não nos ardia o coração, quando Ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras?”. (v.32). Apesar do sofrimento e da descrença os discípulos estavam abertos ao diálogo. Portanto, a Palavra faz “aquecer” o coração, para que os olhos da fé possam ver Jesus de um modo perfeito na revelação da Eucaristia.

           

domingo, 20 de outubro de 2013

Dinâmica dos Discípulos de Emaús - Aprendendo com Jesus - Sexto Passo -

Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda. Jo 15:16. 
Com esta passagem bíblica percebemos que o nosso trabalho evangelizador faz parte do plano de Deus para a salvação da humanidade. Fomos escolhidos e enviados pelo Próprio Deus a sermos discípulos. Más, diante das dificuldades somos tentados a nos afastar do projeto Salvífico do Senhor por faltar em nós uma característica que é própria de Jesus e sem ela não dá para evangelizar. Esta característica é a acolhida.
Simbolicamente, o retorno a Emaús, da parte dos dois discípulos poderia significar uma fuga da realidade dura com a qual se depararam: o grande sonho havia se diluído na cruz! O que eles tinham projetado, esvaíra-se em pouco tempo! Faltavam forças para continuar o que tinha sido iniciado tão esperançosamente.