sábado, 6 de fevereiro de 2016

A teia do conhecimento

Participantes: Grupos de 10 pessoas.

Objetivo: Apresentação nos grupos; conhecimento mútuo; a importância de cada um conhecer os outros pelo que são e não pelo que dizem. Esta dinâmica é boa para iniciar o ano em grupos que já trabalham juntos.

Tempo Estimado: 10 a 15 minutos.

Material: Um rolo (novelo) de fio ou lã. Fotos de cada participante. Um isopor. Alfinete ou marcador de mural

Descrição: Dispor os participantes em círculo.
O coordenador toma nas mãos um novelo (rolo, bola) de cordão ou lã. Em seguida prende a ponta do mesmo em um dos dedos de sua mão. Joga o novelo para uma pessoa aleatoriamente e pergunta: Que dizem que eu sou?

Está pessoa apanha o novelo e, após enrolar a linha em um dos dedos, irá apresentar a pessoa que atirou o novelo de acordo com o seu conhecimento. Após a apresentação, a pessoa irá jogar para outro, assim sucessivamente, até que todos do grupo sejam apresentados. Como cada um atirou o novelo adiante, no final haverá no interior do círculo uma verdadeira teia de fios que os une uns aos outros.
Pedir para as pessoas dizerem:
– O que observaram;
– O que sentiram;
– O que significa a teia;
– O que aconteceria se um deles soltasse seu fio etc.
Como foi a apresentação, estava correta? Porque?
Colocar as fotos dos participantes em círculo no isopor  e colocar um alfinete na frente de cada foto e depois tecer a teia e colocar como mural.

Mensagem 1: Todos somos importantes na imensa teia que é a vida; ninguém pode ocupar o seu lugar.

Mensagem 2: Precisamos conhecer as pessoas, não pelo que dizem e sim pelo que são.

Mensagem Bíblica: Leia Marcos 8:27-29

Aprendendo com o Mestre:  Jesus abordou os discípulos com duas perguntas: A primeira foi “Quem dizem os homens que sou eu? ”. A segunda foi, “Mas vós, quem dizeis que eu sou? ”.Jesus nos ensina que há dois modos de conhecimento.
O primeiro modo é conhecer pelo que os outro dizem. Este modo pode ser de grande ajuda para nos introduzir no caminho do conhecimento das pessoas, mas, precisamos saber o que realmente é verdade, pois nem sempre o que dizem das pessoas é correto devido os motivos de cada um em sua apresentação. Pode ser uma apresentação carinhosa, cordial ou até mesmo maldosa.
O segundo modo é conhecer as pessoas pelo que são e pelo que fazem. O trabalho, a dedicação e até mesmo o comodismo fala mais do que muitas palavras. Na maioria das vezes não somos o que aparentamos ser.
Jesus nos dá uma lição maravilhosa. Não diga aquilo que você não sabe das pessoas, só porque ouviu dizer. Procure conhece-la antes de fazer qualquer suposição. Este é o motivo principal de uma boa apresentação.
Interessante que no texto de Marcos ninguém dizia nada ruim de Jesus Cristo. Diziam que ele era João Batista, Elias, algum dos profetas – todas referências boas e respeitáveis. Porém com um problema grave: todas erradas.
Os samaritanos também nos ensinam como devemos agir, em João 4:42 “...Já agora não é pelo que disseste que nós cremos; mas porque nós mesmos temos ouvido e sabemos que este é verdadeiramente o Salvador do mundo”.

E você, quem você pensa que é Jesus Cristo?


Quem você acha que eu sou?