sábado, 5 de abril de 2014

DINÂMICA CELEBRATIVA PARA A PÀSCOA – A Raiz

Em Cristo encontras a vida, CONFIA

Objetivo: Depois de seguir todos os passos da dinâmica de oração de quaresma e encerrar fazendo o plantio com as sementes escolhidas com muito carinho, hoje iremos iniciar uma dinâmica celebrativa para a páscoa. Esta dinâmica é semanal e precisa ser seguida, passo a passo para ter sentido. No início da dinâmica da quaresma dissemos que a vida da gente é como uma grande árvore. Chegou a hora de cuidarmos desta árvore. Iniciaremos a nossa Árvore pelas Raízes que a sustentam e conduzem alimento e água a todo o seu corpo. São as raízes as responsáveis por uma bela árvore. Vamos prestar bem atenção nos textos bíblicos para entendermos a mensagem. Boa Páscoa para todos.
Material: Uma espécie de Caixa feita em isopor para receber e servir de sustentação para a cruz em forma de árvore. Nesta caixa algumas raízes para a dinâmica conforme a foto. A quantidade de raízes fica a seu critério. As nossas são de acordo com o número de grupos catequéticos em nossa comunidade.


Oração: Sinal da Cruz – Espírito Santo
Saudação – Hoje, mesmo sabendo que o tempo é de vigília, pois se aproxima a semana santa, e, sabemos que foi nesta semana que o Senhor Jesus foi traído, preso, flagelado, crucificado e morto, nos preparamos para a sua ressurreição, pois sabemos que Deus, em seu infinito Amor pelo seu Filho e por nós, sua criação bem-amada, irá ressuscitá-lo, para que todo aquele que nele crer, ressuscite com ELE. Pois assim disse Jesus: Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou.
E a vontade do Pai que me enviou é esta: Que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último dia. Porquanto a vontade daquele que me enviou é esta: Que todo aquele que vê o Filho, e crê nele, tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia. (João 6, 38-40) 
Nesta preparação, fincamos nossas raízes na torrente, A Palavra de Deus, fonte de água viva, onde esperamos matar a nossa sede de Deus. A ideia é simbolizarmos a nossa vida em uma ÁRVORE. A Árvore para nós terá dois sentidos que vamos descobrir em oração:
1° sentido - O Salmista lê o Salmo 1 – (Tempo para meditação) A vida da gente é como uma grande árvore. Germina, nasce, dá flores, frutos... do fruto a semente que irá germinar uma nova árvore. Neste ciclo interminável nossa árvore precisa ser cuidada, regada, adubada para que ao florir e frutificar a esperança se renove.
2° sentido - Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo escrito por João 15:1-10. Silêncio para meditação. A vida da gente só tem sentido real se estiver ligada a Deus, pois ele nos deu seu Espírito para que pudéssemos ter vida NEle. Fora DEle nada tem sentido, a felicidade é passageira, logo murcha e seca. Com Ele a felicidade é eterna e sempre dá muitos frutos.
Sentido da Ressurreição: Em verdade, em verdade vos digo: Se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica só; mas se morrer, dá muito fruto. Quem ama a sua vida, perdê-la-á; mas quem perde a sua vida neste mundo, conservá-la-á para a vida eterna. Se alguém me servir, siga-me, e onde eu estou, estará aquele que me serve; se alguém me servir, o Pai o honrará. (João 12:24-26)
Meditação: Os catequistas podem fazer uma breve meditação. O salmo deixa bem claro. Todo cristão integro, obediente e temente a Palavra de Deus, que vive para fazer um mundo melhor para todos é igualzinho a uma árvore plantada a beira do riacho. Suas raízes vão buscar toda água suficiente para sua vida. As raízes aqui são simbolizadas nas virtudes de nossos Patriarcas. Nos encontros deste mês que se passou vimos que Deus fez um mundo com tanto amor, criou o homem com todo seu amor e ainda lhe deu o SEU espírito; entendemos que o Espírito de Deus é toda capacidade de amar; E aquele que ama obedece, faz a vontade de seu mestre. Adão fez o contrário e pro isso o pecado entrou no mundo. Façamos o contrário. Sejamos obedientes à Palavra de Deus. Estas são nossas primeiras raízes: obediência e Amor. No segundo encontro do mês vimos que ninguém melhor do que Abraão para nos ensinar a obediência. Abraão obedeceu em tudo o que pode, ao Senhor. Além de obediente, Abraão tinha tanta em Deus que  largou tudo para fazer a SUA vontade. A de Abraão era tanta que chegou mesmo a levar seu único Filho para sacrifício ao Senhor. A outra grande raiz é a .
No encontro seguinte vimos Isaac, Esaú e Jacó e Moisés lutando por um mundo melhor, mais justo, mas, mesmo diante de tantas dificuldades, eles acreditavam no Senhor. A confiança deles era tão grande que lutaram por seus ideais, mesmo contrários as leis do povo. Esta confiança ainda é fruto de Abraão. Deus prometeu uma grande nação e Abraão só teve dois filhos. No entanto, Jacó, seu neto vai gerar doze Patriarcas, chefes das doze tribos de Israel. Mais tarde o povo de Deus é feito escravo pelos egípcios e Moisés, sem discutir obedece a Deus e confiando em sua promessa, conduze-os durante quarenta anos pelo deserto, até a terra prometida. Isto é confiança
Anos depois o povo se sente perdido e pedem um rei ao Senhor. Deus manda ungir o Rei Davi e promete que o Salvador do mundo será um herdeiro do trono de Davi. Igual aos outros, Davi confiante no Amor de Deus, obedece ao Senhor e faz sua vontade. Da linhagem de Davi nasce Jesus Cristo, gerado pelo Espírito Santo de Deus. Ele, mais do que todos os outros faz em tudo a vontade do seu Pai. Não pecou e se entregou aos planos de Deus. Até mesmo o pedido que o Senhor fez a Abraão, o sacrifício de seu filho que não foi concretizado, se realizou em Jesus Cristo. Todos estes homens tinham a Liberdade para fazerem o que quisessem porem, preferiram fazer a vontade de Deus e por isso alcançaram a Felicidade sem fim. Eis as nossas raízes.


Como fazer: Escolher uma criança de cada grupo, representando toda a turma para colar nas raízes os respectivos nomes. Os nomes serão colocados de acordo com a meditação acima.