sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Coroa do Advento e Árvore de Natal -

              Este ano a nossa coroa do advento terá algumas modificações. Iremos montar a nossa coroa do advento aos poucos e conto com a participação de todos os nossos amigos. Este ano o nosso advento terá um acompanhamento da Árvore e por isso primeiro temos que conhecer a simbologia da Árvore de Natal.


            
  Para a nossa coroa do advento precisamos primeiro fazer uma armação para a coroa. Pode ser feita em ferro. com partições para as velas com uma certa diferença de altura de acordo com as velas que serão acesas semanalmente. Observe a nossa armação acima.
Faça também um castiçal para sete velas, relativo ao número de dias da semana. (Lembre-se: a criatividade é sua. Aqui damos apenas dicas.) O castiçal deve encaixar dentro da coroa do advento. o número de velas está relacionado com  a Luz de Cristo que aumenta em nossa vida de acordo com a nossa fé.

Estou forrando a mesa com papel alumínio para evitar que os pingos de vela danifiquem o móvel.
A árvore de Natal é comum ser um pinheiro, pois o mesmo representa a vida porque além de alcançar uma idade prolongada, muitos deles chegando até 9.500 anos, tem um formato triangular, lembrando a Trindade Santa e dá a impressão de estar sempre apontando para o Céu. Na nossa região é muito difícil encontrar pinheiros, por isso usamos também árvores artificiais. Pode também ser usada uma árvore local sem galhos e decorada conforme a sua criatividade. 

A Coroa do Advento deve ser enfeitada de verde, podendo usar folhas artificiais (como no nosso caso: estou usando festão verde e este outro, com um toque dourado para simbolizar as folhagens verdes, representando a natureza) ou natural, como por exemplo, renda portuguesa ou outro tipo de samambaia que demora muito tempo para perder a sua cor.


A estrela que se coloca na parte mais alta da árvore nós colocamos em uma linha de náilon para ficar como que invisível. Ela irá se aproximar do presépio de acordo com a proximidade do natal.
O presépio também pode ser montado de acordo com a sua criatividade. No entanto deve lembrar que a manjedoura é um coxo onde os animais comem e que o presépio é um local de repouso dos mesmos, em linguajar mais conhecido, um curral. Este curral fizemos de papel amassado como que uma gruta na pedra, uma cerca em volta feita com palitinhos, muita palha pelo chão e granulado representando o esterco dos animais. As peças do nosso presépio: Menino Jesus, Maria, José, curral, manjedoura, o burro, o boi, o carneirinho, Anjos, pastores e estrela. No nosso presépio o Menino Jesus só será colocado na Noite de Natal. Você também pode colocar os três Reis Magos na festa de Reis, dia 6 de janeiro.


As velas são colocadas de acordo com o tempo litúrgico. O primeiro domingo do advento é o domingo vigilância. " Vigiai porque não sabeis o dia que o Senhor virá". A vela a ser acesa é a verde, vela da esperança. Coloque as velas de acordo com cada domingo: a mais alta - a primeira - a verde; a segunda - a vermelha; a terceira - a branca; a quarta - a rocha. Note que as velas menores, colocadas no castiçal são de cor verde, relacionadas com a cor da vela do advento. Na próxima semana serão colocadas as velas correspondentes à cor da vela do domingo do advento. Note que as velas do castiçal vai queimando e igualando na altura.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Dinâmica de oração – Ponte em nós

Objetivo – Forma corrente para oração, permitir a proximidade das pessoas e promover a união.

Desenvolvimento – Todos devem formar um círculo. Fazer o sinal da cruz. O animador fala do valor do respeito, da igualdade e da necessidade de todos viverem em união, uns com os outros e com Deus. O Espírito Santo é quem nos conduz a tudo isto. Por isso devemos sempre manter estes sentimentos, formando uma ponte que vai ligar cada um no colega da direita e da esquerda e todos elevam as preces à Deus. Ao som do trecho reservado da música de Sandy e Junior, uma ponte em nós, os participantes vão fazendo os gestos até formar a ponte que liga o coração de cada um ao do colega e depois um abraço geral para a oração.


sexta-feira, 28 de outubro de 2011

O naufrágio

OBJETIVO: Exercitar a sensibilidade, o raciocínio lógico e os valores pessoais de cada um, respeitando a decisão do grupo.
Orientações: O Assessor conta a história e vai dando os comandos como se fosse o Capitão do návio. Não importa quantas pessoas exista no grupo. Os subgrupos devem ser de três pessoas e o tempo tem que ser observado à risca.
Imaginem que vocês estão em um navio com 1 Capitão, 7 tripulantes e 30 passageiros. De repente, sofrem um terrivel impacto. O Capitão logo avisa:
- Atenção Srs passageiros! Devido a uma colisão com um iceberg o navio irá afundar em 2h30. Não é motivo para pánico. Temos uma ilha a cinco dias, desde que os tripulantes dos botes consigam remar sem parar. Estamos em alto mar e navios por estas bandas só a cada 2 meses. Há coletes e botes para todos. O tempo é suficiente para todos se salvarem desde que obedeçam meu comando. Atenção para as ordens:
Ordens Minutos

Ordens
Minutos
Se dividir em grupos de três para facilitarem as decisões
01
Decidirem quem coordenará e quem registrará as decisões
01

(Passar por escrito as demais ordens e pedir que cada grupo vá selecionando as tarefas que acharem mais importante. Separar as tarefas somando os tempos utilizados)



Ordens                                                                                                                    
Minutos
Fazer uma pequena mala com roupas e documentos
10
Montar uma caixa de alimentos para cada bote – pegar o que puder
10
Abastecer galões de 5 litros com água potável (Tempo por galão)
03
Montar kits de primeiros socorros
10
Passar protelor solar
05
Ir ao banheiro para atender as necessidades fisiológicas
05
Fazer uma pequena festa de despedida
10
Fazer uma refeição substanciosa
15
Verificar seus e-mails pessoais
10
Fazer guerra de travesseiros para aliviar o estresse
10
Tirar foto do rombo do casco do navio
10
Fazer reunião para explicar os procedimentos de salvamento
05
Escrever sobre o naufrágio em seu diário de viagem
10
Colocar sinalizadores, bússola e mapa nos botes.
05
Colocar colete salva-vidas
05
Colocartodas as pessoas no bote salva-vidas
15
Considerando 5 galões de água =  150 minutos
138

(Após 10 minutos de trabalho o comandante avisa a todos que o caso se complicou e que agora só resta 1 hora. Que todos possam rever as prioridades)
(Depois de 10 minutos avisar que não há mais tempo e que o navio está quase todo imerso. Determinar a última tarefa a ser feita.)
- Os tripulantes foram embora em um bote e os demais passageiros pegaram os botes, restando apenas um. Este bote só cabe sete pessoas (lembrando que cada grupo é o que restou, são três pessoas e só podem levar mais quatro). Eu afundarei com meu navio. Vocês, no entanto precisam saber escolher quem levarão para a ilha. Eis a lista dos que ainda estão no barco.


Um violinista, com 40 anos;
Um narcótico viciado, com 18 anos;
Um advogado, com 25 anos;
A mulher do advogado, com 24 anos, que acaba de sair do manicômio. Ambos só irão ser for juntos;
Um sacerdote;
Um Pastor;
Uma prostituta, com 34 anos;
Um ateu, com 20 anos, autor de vários assassinatos;
Uma universitária que fez voto de castidade;
Um físico, 28 anos, só aceita entrar no bote se puder levar consigo sua arma;
Um declamador fanático, com 21 anos;
Uma menina, com 12 anos de idade, e baixo QI, portadora de vírus HIV;
Um homossexual, com 47 anos;
Uma débil mental, com 32 anos, que sofre de ataques epiléticos;
Um Atleta de 27 anos;
Uma mulher com 8 meses de gravidez.


No final das tarefas o assessor deve analisar as escolhas de cada grupo levando em conta a distância e quem está no bote para remar durante os 3 dias. O Assessor deverá aproveitar as respostas para abrir a discussão sobre a importância das escolhas feitas no dia a dia; o que é realmente prioridade para as pessoas; como agir no momento de desespero; o porquê de cada grupo na escolha final;
Deve se respeitar as escolhas de cada grupo, no entanto pode ser feito uma reflexão diante das prioridades e nunca das pessoas. Os valores são fundamentais, mas ninguém pode ser excluído.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Dinâmica na Catequese

Uma das preocupações de toda Paróquia é em como dinamizar um encontro sem fugir do tema proposto pela catequese, auxiliando no processo de formação e organização e possibilitando a criação e recriação do conhecimento no grupo. Com dinâmicas nos encontros de catequese, os participantes exercitam o que pensam, o que sentem, o que vivem e sofrem, se libertando da timidez. As técnicas participativas geram um processo de aprendizagem libertador porque permitem: 1. Desenvolver um processo coletivo de discussão e reflexão. 2. Ampliar o conhecimento individual, coletivo, enriquecendo seu potencial e conhecimento. 3. Possibilita criação, formação, transformação e conhecimento, onde os participantes são sujeitos de sua elaboração e execução. Pensando assim, a coordenação de catequese da Paróquia do Ipu criou uma página em forma de blog na internet chamada de “Dinâmicas na catequese” (catequesedaparquiadeipu.blogspot.com/), para auxiliar os catequistas em seu trabalho. A página foi lançada em agosto de 2010 e ao completar um ano estava com um total de 70.000 visitas. Como forma de gratidão pelas visitas, transformamos nossa página em livro, para facilitar o trabalho dos catequistas. Advirto que nem todas as dinâmicas são criação nossa, porem todas foram adaptadas para a nossa realidade. Osorio Soares

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Pesquisa

Estamos muito felizes pela pesquisa realizada através do formulário que ficou exposto nesta página. Estamos preparando material para ajudar os catequistas em 2012 e disponibilizando uma página para downloads contendo material de apoio para os catequistas. A nossa página de dinâmicas também etá sendo transformada em livro e logo estará também disponível.

Agora pois, vos encomendo a Deus e à palavra da sua graça, àquele que é poderoso para vos edificar e dar herança entre todos os que são santificados. (AT  20, 32) Pelo qual recebemos a graça e o apostolado, por amor do seu nome, para a obediência da fé entre todos os gentios, (RM  1, 5) a todos os que são amados de Deus, chamados para serdes santos: Graça a vós, e paz da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo.( RM 1, 7) sendo justificados gratuitamente pela sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus,( RM 3, 24.) porquanto procede da fé o ser herdeiro, para que seja segundo a graça, a fim de que a promessa seja firme a toda a descendência, não somente à que é da lei, mas também à que é da fé que teve Abraão, o qual é pai de todos nós. (RM 4, 16.)

terça-feira, 25 de outubro de 2011

O 13º Discípulo

Material: Cartolina, espelho (ou papel alumínio ou folha metalizada que reflita imagem), cola.

Dobre a cartolina  ao meio e faça uma espécie de livro com um espelho no meio. Na capa escreva a passagem: “Amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei”. Embaixo escreva: Quem é o 13º discípulo?
Mostre o livro sem abrir. Diga às crianças que terão a semana toda para tentar responder à pergunta e que no próximo encontro, quem souber receberá um prêmio. O catequista pode providenciar balas para todos.
Prepare e distribua uma lista de tarefas a fazer que possam ajudá-las a encontrar a resposta:
- procurar na Bíblia;
- memorizar o nome dos 12 discípulos de Jesus;
- conversar e entrevistar adultos, pastores, etc..
Escreva em uma folha de papel o texto de João 15, 12 – 17. Coloque o livro em uma mesa com o texto em cima do espelho.
No encontro seguinte peça para todos relatarem o que descobriram e se já sabem quem é o 13º discípulo. É possível que ninguém saiba. Conduza as crianças até o livro. Abra o livro sem que as crianças vejam o espelho. Leia a passagem acima. Peça para as crianças, uma de cada vez, se dirigir ao livro e ver quem é o terceiro discípulo sem dizer nada para os outros. Depois que todos tiverem visto sua própria imagem, deixe que todos falem à vontade. (O que viram? Quem viram? Porque? Quem é o 13 discípulo?)
Explique a necessidade de todos serem discípulos de Jesus.
Encerre o encontro lendo e meditando a passagem Mateus 28, 19 – 20.
Osorio Soares

sábado, 22 de outubro de 2011

Bingo de Jesus

Material: Bíblia, papel, canetas, grãos de feijão ou milho.

Providencie um ou mais brindes. Leia antecipadamente o encontro para que o bingo não seja apenas um entretenimento, mas uma ferramenta de aprendizagem. De acordo com o tema e a passagem bíblica do dia, prepare diversas frases que sejam bíblicas, do texto do dia ou até mesmo frases de reflexão do encontro. Escreva as frases faltando algumas palavras para serem completadas posteriormente. Faça diversas cartelas de Bingo com papel e caneta: cada cartela contendo cinco palavras (cada palavra tem que ser o complemento para as frases). Procure misturar bem não fazendo duas cartelas iguais. Faça cartelas suficiente para todos os participantes.
Ex: Leitura bíblica: João 15, 9 – 15.
Frases:
Quero que me amem assim como eu vos amo, pois amo vocês como o pai me ama.
Aquele que me ama, aprende e cumpre com os meus mandamentos.
O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.
Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus amigos.
Todo aquele que me ama é meu amigo.
Cartelas:
vocês
Quero
mandamento
Ninguém
eu
vocês
ama
cumpre
cumpre
vocês
aquele
Quero
mandamento
eu
eu
amor
mandamento
ama
Ninguém
amor
ama
amigo
cumpre
amor
amigo
aquele
Quero
aquele
Ninguém
amigo

Faça a proclamação da palavra de Deus (leitura acima). Explique o sentido da leitura procurando repetir as frases que estão no quadro, para ajudar as crianças a memorizarem as frases. Distribua as cartelas para todos os participantes. Explique que as palavras nas cartelas irão completar as frases que serão sorteadas e escritas no quadro, mas só podem ser marcadas de acordo com a leitura das frases. Quem encontrar a resposta em suas cartelas deve marcar, colocando um grão de milho sobre a resposta. Faça o sorteio da frase, escreva no quadro e leia a frase pedindo para que as crianças completem com a palavra correta.
A criança que primeiro marcar as cinco respostas deve gritar "Bingo de Jesus".
Confira também em voz alta as perguntas e respostas, para ver se a criança marcou as respostas corretas e também para que as demais confiram suas próprias cartelas. Dê um prêmio (presentinho, cartão, bala, etc..) ao vencedor. Você pode continuar sem que desmarquem as cartelas, até ter o segundo e terceiro colocados.
Lembre-se que a brincadeira é um ótimo caminho para a aprendizagem das crianças. A criança aprende melhor vendo, ouvindo e fazendo. Com esta dinâmica as crianças terão mais oportunidade de participarem ativamente do encontro.
Osorio Soares

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Pequeno Catecismo - Livro Oração do cristão

Um dos subsídios mais usados em nossa catequese é um livro intitulado "Orações do Cristão". Trata-se de um pequeno catecismo contendo uma catequese simplificada, um resumo da doutrina da igreja, o santo terço meditado e um pequeno questionário para ajudar os catequizandos a assimilarem melhor o conteúdo da catequese. Este subsídio colocamos nas mãos de todos os catequizandos
O livro agora é apresentado aos cristãos em sua versão digital. Para mais informação ou até mesmo a leitura do livro acesse a nossa página Mensagens, formação e informação.
Você também pode visitar a nossa página e fazer o seu comentário.
Para ler basta clicar na página. Se quiser ler em tela cheia para melhorar a resolução é só clicar no menu a cima do livro.

domingo, 25 de setembro de 2011

Fazer ao próximo o que deseja a si

Material necessário: lápis e papel
Desenvolvimento: O catequista formará um círculo e distribuirá para os membros do grupo lápis e papel. Pedirá para cada um escrever algum tipo de atividade que gostaria que o colega sentado à esquerda realizasse. Pede para assinar o papel. Depois que todo mundo escrever, recolha os papeis, embaralhe e sorteie alguns conforme o tempo que desejar para a brincadeira. Leia o nome da criança e peça que ele diga qual a tarefa e quem irá desenvolver. Quando todos eles tiverem dito as tarefas leia a passagem:  Mateus 7:12. Medite com todos que não devemos desejar ao próximo aquilo que não queremos para nós mesmos. Após a meditação peça para que os que escreveram desempenhe a tarefa que havia sugerido ao seu colega.
Compartilhar: Pergunte as crianças indicadas para a tarefa, o que sentiu ao saber que tinha que desempenhar tal tarefa, e quando soube que não mais teria? Também questione aos que indicaram as tarefas e eles mesmos tiveram que desempenhá-las.
Osorio Soares

Procurando Jesus

Todo mundo já deve ter brincado de Detetive; nesta brincadeira temos como personagem o assassino, o detetive e as vítimas.
Na brincadeira procurando Jesus, teremos novos personagens: Jesus, Tomé e os apóstolos.
Escreva sobre um papel "Jesus" e a frase: “Acreditastes porque vistes. Feliz aquele que acredita sem ver”; sobre outro "Tomé" e a frase: “Mestre, é você mesmo”; e tantos "Apóstolos" quantos necessários para completar o número de crianças com a frase: “Jesus está vivo e presente no meio de nós”! Dobre os papeis e sorteie.
As crianças se colocam num círculo e Jesus deve discretamente piscar com um olho para qualquer das crianças, enquanto Tomé tenta descobrir qual criança é Jesus.
Jesus é sinal de vida nova, quando ele piscar, se a criança for um apóstolo deverá dizer:
- Jesus está presente e vivo no meio de nós!
Tomé não acredita que Jesus esteve presente no meio dos apóstolos porque não o vê, por isso procura descobrir onde está Jesus. Quando Tomé descobrir, ou pensar que descobriu, este indicará a pessoa dizendo:
- Mestre, é você mesmo!
Se a criança indicada for Jesus, este dirá:
-Acreditastes porque vistes. Feliz aquele que acredita sem ver.
Então pode sortear os papeis novamente. Se não for, a criança indicada deve balançar a cabeça negativamente e todos devem dizer:
- Tomé, onde está a sua fé???
A brincadeira continua até Jesus piscar o olho para todo mundo ou ser encontrado.
Ler e refletir com as crianças: João 20. 26 - 29.
Osorio Soares

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Deus está no meio de nós e te chama.


O catequista deve preparar antecipadamente as respostas, se for possível esconder alguém que tenha uma voz bem potente para responder as indagações. Prepare também as perguntas e entregue uma a cada catequisando. Depois explicar que Deus está no meio de nós, mas deve também provocar a curiosidade dos catequisandos. Mas como sabemos que Deus está no meio de nós? Quem é este Deus que se fez homem e veio morar no meio de seu povo e permanece até hoje? Será que conhecemos este Jesus a quem adoramos? Deixe-os conversarem a vontade, não os corrijas, apenas acompanhe as reflexões. Depois de algum tempo convide-os a perguntarem ao próprio Jesus e tranquilizarem seus corações.

Se dirigir para um local bem agradável. Crie um clima de oração explicando que quando rezamos e ouvimos a Palavra de Deus, conversamos com o próprio Jesus.

 Senhor Jesus Cristo, Filho unigênito do Pai, Cordeiro de Deus, Senhor do céu e da terra, Luz da luz, Pão da vida, Tu és a razão da nossa vida, princípio, meio e fim de nossa existência, sem Ti nada somos. Apresenta-te para nós para que possamos conhecê-lo, conhecendo-o possamos amá-lo, amando-o possamos adorá-lo e adorando-o possamos servi-lo. Amém.

Conversando com Jesus

Mestre, ouvimos muito falar em vós e achamos tão bonito o seu jeito de ser... mas quem és realmente senhor?


  • Jo 6, 35; 8, 12. 18; 10, 7. 11. 14; 11, 25; 12, 46; 14, 6; 15, 1. 5;


Há Senhor, como é bonito ouvir suas palavras. Nossos catequistas nos ensinam também coisas bonitas! Dizem que temos que segui-lo, mas as coisas andam tão difíceis lá em casa?

  • Mt 6, 31 - 34;


O que devemos fazer para participarmos do teu reino, ser seu discípulo?

  • Mt 6, 19 – 21; Lc 6,27-38;


Senhor, sabes que temos uma tendência muito forte de julgar os outros. Nosso coração enche-se de cobiça e de inveja, de orgulho e de vaidade?

  • Mt 7, 14;


E quando virá o seu Reino?

  • Lc 17, 20b - 21;


Como podemos ser seus discípulos?

  •  Jo 8, 31 - 32; Jo 15, 9; Jo 13, 34 – 35;



Faça uma oração ao Espírito Santo e peça para cada um escrever a sua resposta a Jesus, primeiro cada um em particular, depois responder a todos.

Criado por Osorio Soares, coordenador de catequese na Paróquia do Ipu.

terça-feira, 26 de julho de 2011

A Parábola do semeador.


“Um semeador saiu a semear” (Mt 13,3).
Todo catequista é semeador da Palavra de Deus. É missão nossa semear, indiferente do terreno ou das condições climáticas. Não podemos dizer que o sol está quente demais, ou se está chovendo muito, ou que a semente não é boa. Temos que semear! Ler a “Parábola do semeador”; dividir a parábola em versículos; escreve-los em papeis; colocar dentro de balões coloridos; enchê-los; decorar o  ambiente com os mesmos. Escolher duas cores de balões: uma para a primeira parte da parábola, outra para a explicação. (Obs.: a quantidade de balões deve ser igual ao número de participantes).
Leia a parábola do semeador para as crianças sem ler a explicação; depois, questione-os:
Quem é o semeador?
O que é a semente?
O que representa os terrenos? (Colocar em destaque os tipos de terrenos citados)
O que representa a colheita?
Depois das respostas, contar a explicação da parábola. Após a leitura repetir as perguntas e pedir que os catequizandos expliquem com suas palavras.
Entregar os balões a cada participante e pedir que as crianças brinquem com os balões, trocando de uma para outra criança sem deixa-los cair. Cada um que deixar cair deve pegar seu balão e aguardar o final da brincadeira. No final da brincadeira explicar que cada balão contem um versículo e que devem estourar os balões, retirar os versículos e montar a parábola como um quebra-cabeça.
 Encenar com as crianças a parábola do bom semeador. 
Osorio Soares

domingo, 20 de março de 2011

EU SOU A LUZ DO MUNDO

Duração: 30 min

Material: uma vela e pedaços de papel com a passagem bíblica Mateus 5. 14-16 para cada participante, ambiente escuro (ideal se for feito a noite ou em sala que possa ter as janelas fechadas), fósforo ou isqueiro, durex ou barbante

Sentados em circulo, sugerir que fechem os olhos e façam uma oração silenciosa, por alguns minutos; enquanto isso apague as luzes do ambiente.

Comentar sobre a escuridão do ambiente, se é confortável ficar assim sentado, de olhos fechados, no escuro... abrir os olhos; melhorou, é bom o escuro? o que eles fazem quando acaba a luz.Dá para fazer alguma coisa no escuro?

O coordenador acende uma vela e lê o texto de Mateus 5. 14-16. Dizer que a vela acesa representa a luz de Cristo.

Perguntas: O que quer dizer este texto? Adianta eu acender esta vela e colocá-la atrás de mim? (coloque a vela acesa atrás de você) Melhora se eu colocar a vela a minha frente e mais para o alto? (mostre a vela) E se cada um de nós tivesse uma vela, ficaria mais claro?

O coordenador levanta e dá a cada participante uma vela, mas não acende. Ficou mais claro? Não, por que? O que falta?

Cristo disse que ele era a luz do mundo, de que luz ele está falando? Ele quer iluminar os cantos escuros do mundo, como? Através de sua Palavra, de seu amor, de sua morte na cruz. E você, pode ser luz? Como? Nossa vida pode iluminar a vida dos outros.

Agora um acende a sua vela na de Cristo dizendo: “Quero a tua luz Senhor, para que a minha vida ilumine a vida de meus irmãos!” Agora, acenda a vela do seu vizinho dizendo algo sobre Cristo e sobre ser luz enquanto vai acendendo a vela do vizinho e assim consecutivamente (atenção com os cabelos e com pingar cera derretida sobre as pernas). Agora ficou mais claro o nosso ambiente, claro com a luz de Cristo em nossa vida.

Deixar um momento de reflexão e oração; acender as luzes da sala e apagar as velas. Pedir que falem sobre o que pensaram e sugerir uma atividade para levar a luz de Cristo para outros.

Escrever num pedaço de papel o versículo ou a frase que lhe foi dita ao acender a vela. Atar o papel à vela, com durex ou barbante (de forma que possa ler o escrito); presentear esta vela aos pais ou a um amigo.